4 mulheres que marcaram a História de Portugal

Hoje trago um tema um pouco diferente. Venho partilhar convosco 4 mulheres, entre muitas, que marcaram a História de Portugal. Espero que gostem e fiquem a conhecer um pouco mais da história deste lindo país.

  • Deuladeu Martins

Deuladeu Martins era a mulher do capitão-mor de Monção ao tempo de D.Fernando. Durante as guerras fernandinas, no séc. XIV, Castela pôs cerco à vila de Monção. O cerco já demorava há vários dias e dentro das muralhas o alimento já escasseava. Foi nesse momento que esta corajosa mulher agiu, mandou recolher a pouca farinha que restava e com ela fazer os últimos pães. Com os pães já cozidos, Deuladeu subiu à muralha com os pães na mão e atirou-os aos castelhanos. Com isto, os castelhanos acreditaram que ainda havia muita resistência dentro das muralhas (não os conseguiriam derrotar pela fome), então levantaram o cerco e partiram para as terras de Castela.

  • Marquesa de Alorna

Marquesa_de_Alorna_par_pitschmann_1780_lis

Leonor de Almeida Portugal de Lorena e Lencastre também conhecida como Marquesa de Alorna, foi uma nobre e poetisa portuguesa, uma figura de rara erudição, autora de uma obra epistolar ainda por descobrir e grande divulgadora das novas ideias vindas da Europa.

Nascida em 1750, ficou conhecida por ter conspirado pela liberdade, pelo seu exílio e por ter conhecido, durante as suas viagens, alguns dos protagonistas da Europa das Luzes e do Romantismo. Contribuiu para o desenvolvimento da cultura das luzes em Portugal.

  • Brites de Almeida

Brites de Almeida, mais conhecida como Padeira de Aljubarrota, ficou marcada na história de Portugal por, durante a batalha de Aljubarrota, ter morto 7 castelhanos com uma pá. Símbolo de força e coragem para as mulheres desta época.

  • Catarina Beatriz Ângelo

transferir

Carolina Beatriz Ângelo foi uma médica e feminista portuguesa. Foi a primeira mulher a votar no país, por ocasião das eleições da Assembleia Constituinte, em 1911.

Cirurgiã e ativista dos direitos femininos, fundou a Associação de Propaganda Feminista. O facto de ser viúva e ter de sustentar os dois filhos permitiu-lhe invocar em tribunal o direito de ser considerada “chefe de família”, tornando-se assim a primeira mulher a votar no país.

 

É bom saber que não são apenas homens que fazem a História de um país e é importante dar a conhecer estas histórias à população. Gostaram deste tema diferente? Já conheciam a história destas mulheres?

Beijinhos,

Sara Júnior

Anúncios

Série “Madre Paula”

Para vos ser sincera nunca fui grande apreciadora de filmes e séries, sempre preferi um bom livro, que me desse gosto de ler. Esta série que vos venho dar a conhecer hoje foi um caso diferente. Chamou-me logo à atenção desde o trailer de apresentação desta (https://www.youtube.com/watch?v=LPpeOr3IaWQ), e até agora não me desiludiu.

9084

“Madre Paula” é uma série televisiva portuguesa do género dramático histórico produzido pela Vende-se Filmes. É uma adaptação do livro português Madre Paula da autoria de Patrícia Muller.

Esta série é transmitida pela RTP1, geralmente às quartas-feiras por volta das 22:30, mas pode ser vista no site da RTP Play (https://www.rtp.pt/programa/episodios/tv/p34494).

img_974x632$2017_07_12_16_49_29_309293

Paula é uma rapariga humilde. Devido a razões financeiras, o pai vê-se obrigado a mandá-la para um convento, como já havia feito com a irmã de Paula. Apesar de obedecer, o seu destino não é dedicar a sua vida a Deus. Os romances de Paula iniciam-se com o Conde do Vimioso, que acaba por ajudar o seu pai financeiramente. Mas o verdadeiro amor é visto na figura de D.João V, rei de Portugal. Os dois vivem um amor proibido, minado de conspirações e intrigas de várias pessoas tanto da corte como do convento. Inspirada em factos reais esta é uma história que tem tudo para apaixonar os portugueses.

 

Na minha opinião, esta série tem tudo para ser um sucesso. Com um elenco esplêndido, cenário e guarda-roupa fiéis à época em questão, tornam esta série uma referência para os amantes de História de Portugal. Apesar da linguagem não ser a da época, não é este um facto para esta deixar de ser uma excelente série. Esta aposta em linguagem mais atual tem não só a ver com um maior entendimento para o cidadão comum, mas também, devido a esta série ser baseada num livro e, no próprio livro, ser esta a linguagem usada.

 

E vocês, também assistem a esta série? Para os amantes de História é uma excelente aposta!

Beijinhos,

Sara Júnior

Viagens: Mosteiro de Alcobaça e Mosteiro da Batalha

Um mosteiro é uma construção grandiosa onde, na idade média, os monges viviam em comunidade.

No passado fim de semana fiz uma visita a dois mosteiros da zona centro do país (Alcobaça e Batalha), pertencendo o primeiro à ordem de Cister e o segundo à ordem Dominicana.

Mosteiro de Alcobaça

20399220_1372257549538277_1885583605_o

O Mosteiro de Alcobaça é uma das primeiras construções da ordem de Cister em Portugal, datando a fundação da Abadia de Santa Maria de Alcobaça 8 de abril de 1153.

De construção gótica, este mosteiro tem como função inicial o povoamento desta zona do país e, consequentemente, defesa militar.

É neste mosteiro que se encontram os túmulos de D.Pedro e D.Inês, os protagonistas da história de amor proibida.

20394937_1372257676204931_627358271_o

Local muito agradável para se visitar a dois ou em grupo e conhecer um pouco da história deste local e da vida dos monges que aqui viviveram. No site da Direção Geral do Património e Cultura poderá encontrar mais informação sobre este local (http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/museus-e-monumentos/dgpc/m/mosteiro-de-alcobaca/).

Mosteiro da Batalha

20353825_1372260269538005_1579295985_o             20399427_1372260209538011_2034997942_o

O Mosteiro da Batalha ou Mosteiro de Santa Maria da Vitória, foi mandado construir como cumprimento de uma promessa do rei D. João I, em agradecimento por ter vencido a batalha de Aljubarrota. A sua edificação teve inicio nos finais do século XVI.

20447053_1372260262871339_748888728_o.jpg

Em termos artísticos, este monumento enquadra 3 estilos: gótico, manuelino e renascentista.

É um local que vale realmente a pena visitar, devido à sua variedade de estilos arquitetónicos e a beleza do local. Para obter mais informações visite o site da Direção Geral do Património e Cultura (http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/museus-e-monumentos/dgpc/m/mosteiro-da-batalha/).

 

Atualmente, todos os monumentos sob alçada da Direção Geral do Património e Cultura, têm entrada gratuita todos os domingos até às 14 horas, por isso, há que aproveitar!

E vocês, já conhecem estes dois monumentos da história do nosso país? São realmente fantásticos!

 

Sara Júnior